Suprema Corte dos EUA autoriza redução dos mandatos de biocombustíveis para pequenas indústrias, óleo despenca e soja acompanha

Publicado em 25/06/2021 17:07 e atualizado em 26/06/2021 08:04 5636 exibições
Mário Mariano Moraes Júnior - Diretor Comercial Agrosoya/Novo Rumo Commodities
Clima favorável também ajuda a pressionar cotações da soja em Chicago

Podcast

Entrevista com Mário Mariano Moraes Júnior - Diretor Comercial Agrosoya/Novo Rumo Commodities sobre o Fechamento de Mercado da S

Download
 

LOGO nalogo

A sexta-feira (25) foi marcada por mais um pregão negativo e com baixas intensas sendo registradas pelos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago. Além do clima mais favorável que é previsto para os Estados Unidos - e que já se confirma em alguns importantes estados produtores - a notícia de que a Suprema Corte Ameriana deu sentença favorável às pequenas refinarias de petróleo nos EUA também pesou severamente sobre as cotações. 

O óleo de soja terminou o dia com perdas de mais de 5%, enquanto as perdas no grão foram de pouco mais de 3% - com recuos de 22 a 41,50 pontos - levando o julho a US$ 13,29 e o novembro a US$ 12,69 por bushel. "Nesta última semana tivemos uma perda de 4,3% para a soja e nas últimas 15 semanas, 16,15% na cotação da soja, e 19,7% no derivado.  Portanto, o clima chuvoso é sim um fator determinante para uma derrubada de preços", explica Mário Mariano, diretor da Agrosoya e da Novo Rumo Commodities. 

Leia Mais:

+ Corn Belt: Produtores registram extremos entre seca severa e excesso de umidade

Do mesmo modo, essa decisão da justiça americana que desobriga as usinas a misturarem biodiesel no óleo de diesel em uma proporção que demandava volumes consideráveis de óleo de soja também teve impacto forte sobre as cotações, movimento que se estendeu também para o etanol de milho. Afinal, o sinal que essa notícia traz é de que os estoques norte-americanos tendem a ficar mais elevados frente a uma possível redução no esmagamento. 

"Se o mercado já entendia que com as chuvas poderia aumentar a área de plantio de soja, e mais essa possível retração industrial é possível que tenhamos um estoque de passagem maior e isso pressiona os preços", diz Mariano. 

De outro lado, o analista acredita que as últimas compras da China no mercado norte-americano estaria indicando uma volta da demanda da nação asiática depois das perdas intensas das últimas sessões, o que ajuda a dar algum suporte aos preços neste momento. "E eles estão levando a safra antiga, mas também uma parte da nova", diz. 

MERCADO NACIONAL

No Brasil, o mercado viu poucos negócios acontecerem nesta semana e os prêmios permaneceram com certa estabilidade durante os últimos dias. Assim, para que novas vendas voltem a aparecer seria necessário, como explicou Mariano, "uma vantagem". 

"Diante do cenário cambial, hoje tivemos menor valor negociado desde 14 de junho de 2020. Portanto, os R$ 4,89 impede a competitividade de produtos brasileiros no exterior. (...) e isso coloca um impedimento para a venda de soja brasileira. Esse volume que os EUA venderam para os chineses representa US$ 18 mais barato do que a soja brasileira se considerar produto CIF", diz o diretor da Novo Rumo. 

E com a demanda menor também por biodiesel no mercado brasileiro em função do mandatório menor, os preços da soja no mercado nacional encontram espaço limitado para recuperar parte das últimas perdas, com a possibilidade de que no segundo semestre o fôlego possa ser maior. 

"Se nos próximos dias o governo brasileiro trouxer oficialmente uma mudança de 10% para 13% ou 15%, aí sim a demanda industrial volta mais aquecida e vai disputar esse saldo de soja que está disponível no mercado", explica. 

 

Por:
Aleksander Horta e Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • JOSÉ DONIZETI PITOLI CORNÉLIO PROCÓPIO - PR

    Também na terra terra do Tio San a suprema corte dá seus pitacos... De plantão, aproveitadores plantam seus boatos (ideias que influenciam a queda nos preços), para num futuro bem próximo colherem os fatos (quando o mercado novamente reage, entendendo que não é nada daquilo que se esperava).

    Desobrigar que pequenas esmagadoras de soja destinem certo percentual do óleo para a mistura no óleo diesel é inócuo, já que com o preço do petróleo em alta a mistura é necessária e um importante insumo integrante do óleo diesel, além de que, atualmente a demanda do óleo vegetal é crescente.

    Vamos acompanhar os próximos rounds da CBOT, quem viver verá.

    4