Quem roubou o dinheiro do Covid não é apenas ladrão, "É também um assassino!". diz Senador Álvaro Dias.

Publicado em 12/04/2021 15:39 1446 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi

CPI da covid-19 no Senado ganha mais duas adesões e chega a 34 assinaturas

Chico Rodrigues e Flávio Arns assinam; Instalação de CPI já é dada como certa (Poder360)

Os senadores Chico Rodrigues (DEM-RR) e Flávio Arns (Podemos-PR) incluíram seus nomes entre os apoiadores da CPI da Covid no Senado

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que vai apurar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia covid-19 no Senado ganhou mais duas assinaturas na manhã desta 2ª feira (12.abr.2021).

Os senadores Chico Rodrigues (DEM-RR) e Flávio Arns (Podemos-PR) incluíram seus nomes entre os congressistas favoráveis à abertura da comissão. Com mais duas assinaturas, a lista de senadores que apoiam a CPI chegou a 34.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

Rodrigues ficou afastado do Senado por quase 5 meses em licença depois das reações negativas à notícia de que a PF (Polícia Federal) encontrou dinheiro na cueca dele. Ele reassumiu o mandato em fevereiro.

Arns mudou de partido no ano passado. Ele deixou a Rede, mesmo partido de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento para abertura da comissão, e passou a integrar o Podemos.

Nesta 2ª feira (12.abr), Randolfe comemorou as novas adesões no Twitter. “Cumprimento os senadores por se juntarem à nossa luta em defesa da vida do povo brasileiro”, disse

requerimento de criação da CPI da covid-19 deve ser lido na 3ª feira (13.abr.2021) no plenário do Senado. Governo e oposição já dão a instalação da comissão como certa.

Eis a lista de senadores que apoiam a iniciativa:

  • Randolfe Rodrigues (Rede-AP);

  • Jean Paul Prates (PT-RN);

  • Alessandro Vieira (Cidadania-SE);

  • Jorge Kajuru (Cidadania-GO);

  • Fabiano Contarato (Rede-ES);

  • Alvaro Dias (Podemos-PR);

  • Mara Gabrilli (PSDB-SP);

  • Plínio Valério (PSDB-AM);

  • Reguffe (Podemos-DF);

  • Leila Barros (PSB-DF);

  • Humberto Costa (PT-PE);

  • Cid Gomes (PDT-CE);

  • Eliziane Gama (Cidadania-MA);

  • Omar Aziz (PSD-AM);

  • Paulo Paim (PT-RS);

  • Rose de Freitas (MDB-ES);

  • José Serra (PSDB-SP);

  • Weverton Rocha (PDT-MA);

  • Simone Tebet (MDB-MS);

  • Tasso Jereissati (PSDB-CE);

  • Oriovisto Guimarães (Podemos-PR);

  • Jarbas Vasconcelos (MDB-PE);

  • Rogério Carvalho (PT-SE);

  • Otto Alencar (PSD-BA);

  • Renan Calheiros (MDB-AL);

  • Eduardo Braga (MDB-AM);

  • Rodrigo Cunha (PSDB-AL);

  • Lasier Martins (Podemos-RS);

  • Zenaide Maia (Pros-RN);

  • Paulo Rocha (PT-PA);

  • Styvenson Valentim (Podemos-RN);

  • Acir Gurgacz (PDT-RO);

  • Chico Rodrigues (DEM-RR);

  • Flávio Arns (Rede-PR).

ENTENDA A CPI DA COVID-19

Na última 5ª feira (8.abr), o ministro Luís Roberto Barroso determinou que o Senado instale a CPI. O presidente da Corte, ministro Luiz Fux, marcou para 14h da próxima 4ª feira (14.abr) o julgamento sobre a instalação da comissão. A sessão do plenário será virtual.

Não se sabe o que o Supremo fará, mas a ideia debatida com o Senado foi minimizar a sensação de que interferem na Casa, mas sem deixar Barroso exposto. Entre as opções aventadas estão:

  • perda de objeto – com a instalação da CPI na 3ª, não haveria o que ser analisado pelo plenário do Tribunal. A Corte sairia de cena, sem se meter em assuntos considerados do Senado;
  • restrição ao funcionamento – os ministros podem decidir que a CPI só poderá ter reuniões passado o atual estágio da pandemia. Atenderiam aos interesses dos senadores contrários à investigação.

Mesmo com a instalação da CPI, governistas ainda não acreditam completamente no funcionamento do colegiado. Senadores que apoiam o governo disseram que tentariam retirar assinaturas do requerimento antes que fosse lido, mas o movimento não deve ganhar força. São necessários ao menos 27 nomes para o documento ter validade. O requerimento tem 32.

Articuladores do governo na Casa dizem que a pandemia deve pesar e que a CPI pode ficar suspensa até uma melhora do quadro pandêmico. O Brasil ultrapassou no sábado (10.abr) a marca de 350 mil mortos pela covid-19.

Já a oposição quer que sejam feitas reuniões presenciais e virtuais. A ideia do grupo é minar as possíveis “desculpas” dadas pelo governo para que o colegiado não funcione.

A comissão deverá investigar falhas de governos em todos os níveis (federal, estaduais e municipais). O presidente Jair Bolsonaro pediu nos últimos dias que governadores e prefeitos fossem incluídos.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) pediu a ampliação das investigações justamente para acabar com essa narrativa de que os governadores e prefeitos não seriam investigados pelo colegiado segundo disse ao Poder360.

Ele enfatizou à reportagem que não tratou do tema com Bolsonaro. O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), por outro lado, divulgou conversa com o presidente por telefone. Disse que “não abre mão” de ouvir governadores.

O presidente cobrou na conversa compartilhada pelo senador no domingo (11.abr.2021) pressão para que o STF também determine a análise de pedidos de impeachment de ministros da Corte. A conversa, segundo o senador, foi no sábado (11.abr).

Em certo momento da conversa, Bolsonaro diz temer um relatório “sacana” da CPI. “Tem que mudar a amplitude dela [da comissão]. Se não mudar, a CPI vai simplesmente ouvir o Pazuello [ex-ministro da Saúde], ouvir gente nossa para fazer um relatório sacana”.

Bolsonaro tem criticado o objetivo da comissão, que é investigar omissões do governo federal. Para ele, é preciso ampliar a atuação do colegiado.

Fonte:
Notícias Agrícolas/Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário