Publicidade

Importação de milho para suprir setor de proteína animal deve durar até julho de 2022

Publicado em 03/08/2021 14:19 e atualizado em 03/08/2021 16:39 1732 exibições
Enori Barbieri - Vice Presidente da FAESC
Segundo presidente da Faesc, com o preço do insumo, a proteína animal brasileira pode perder sua competitividade no mercado externo

Logotipo Notícias Agrícolas

As importações de milho para abastecer as necessidades do setor de proteína animal do Brasil não devem ser realizadas apenas neste momento, segundo Enori Barbieri, vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina. Ele explica que, devido à quebra severa na safrinha brasileira, as incertezas sobre o desempenho das próximas safras e o volume do cereal exportado, não há estoques suficientes para serem consumidos nacionalmente.

De acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, por meio da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), ao longo dos sete primeiros meses de 2021, o Brasil importou um total de 1.081.771,5 toneladas de milho não moído, exceto milho doce.

"No caso de Santa Catarina, o mais tradicional parceiro comercial para a compra do milho é o Paraguai, mas com a seca do Rio Paraguai está difícil trazer o produto em barcaças, e é preciso vir de caminhão pela Ponte da Amizade, o que dificulta um pouco", disse.

O preço do insumo, conforme explica Barbieri, "é o de menos", e o mais importante neste momento é ter o insumo. "Tem contas apontando de que o milho vindo de fora chega cerca de R$ 20,00 por saca mais caro do que o que temos aqui", apontou. 

 Barbieri afirma que, inclusive, é preocupante a questão de onde o Brasil irá importar o milho, uma vez que Paraguai e Argentina sofreram problemas durante a safra, da mesma forma do que muitos Estados ptrodutores no Brasil. 

 

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

2 comentários

  • Carlos Augusto Targa Romani Piracaia - SP

    Realmente precisamos focar no aumento de produção da próxima safra, acredito que o mercado vai buscar isso naturalmente pelo preço de venda.

    9
  • Merie Coradi Cuiaba - MT

    Conheço agricultores de grãos do PR e RS que também são suinocultores. No verão plantam soja porque é mais rendável que o milho. Mas na hora de alimentar os suinos, reclamam do preço que precisam pagar no milho. Esperam que os outros façam o que deveriam fazer. Difícil né, vizinho.

    5
    • CESAR AUGUSTO SCHMITT Maringá - PR

      Porém eles trabalham com o sistema de integração, onde recebem as rações já formuladas e balanceadas. Os pequenos "independentes" são escassos.

      5