Publicidade
HOME VÍDEOS NOTÍCIAS DADOS DA SAFRA METEOROLOGIA FOTOS

Assosoja estima perda de 10 milhões de toneladas no milho do Paraná e queda de qualidade nos grãos restantes

Publicado em 03/08/2021 10:14 e atualizado em 03/08/2021 10:57 2673 exibições
Rodrigo Tramontina - Presidente na AssoSoja
Presidente da entidade destaca atraso no plantio, 72 dias sem chuvas e três geadas seguidas para dizimar produção paranaense. Produtor vai precisar acionar seguros renegociar com contratantes e pagar multas pelos contratos

Podcast

AssoSoja estima perda de 10 milhões de toneladas no milho do Paraná e queda de qualidade nos grãos restantes

Logotipo Notícias Agrícolas

Atraso no plantio que jogou 80% das lavouras para março, 72 dias sem chuvas ao longo do desenvolvimento das plantas e três geadas consecutivas em julho. Foi isso o que a segunda safra de milho teve que enfrentar em 2021 no Paraná. Agora, o resultado não poderia ser outro, grande queda na produção estadual.

Segundo o presidente da AssoSoja (que reúne produtores do Norte do Paraná), Rodrigo Tramontina, a expectativa inicial era de colher entre 13 e 14 milhões de toneladas de milho no Paraná, mas as perdas já chegam à 10 milhões. Na propriedade dele, por exemplo, as áreas já colhidas estão com rendimentos apenas 22% daqueles registrados em safras anteriores. 

Publicidade

Diante deste cenário, o prejuízo estimado para o estado já passa dos R$ 13 bilhões e nem mesmo os preços da saca 130% maiores do que os do ano passado vão ajudar os produtores, uma vez que não haverá muitos volumes para comercializar.

A recomendação da liderança é para o acionamento do seguro e a não realização de atividades de colheita antes da vistoria dos peritos nas lavouras. Tramontina destaca também que os produtores vão precisar buscar as contratantes com quem já tinham vendas fechadas para renegociar e pagar as multas, que costumam ser a diferença entre o preço pago no contrato e o preço praticado atualmente.

Outra questão que preocupa é que, do total que será colhido, muitos grãos estão avariados após a entrada de patógenos com decorrência das geadas, e essa situação não é coberta pelos seguros agrícolas.

Confira a íntegra da entrevista com o presidente da AssoSoja no vídeo.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Everton Luís Silka Curitiba

    Essa estação meteorológica que o Rodrigo Tramontina cita, por volta de 5:10, é fantástica!

    0