Publicidade
HOME VÍDEOS NOTÍCIAS DADOS DA SAFRA METEOROLOGIA FOTOS

Perdas no milho safrinha em Pato Branco (PR) podem chegar a 50%

Publicado em 20/07/2021 10:21 e atualizado em 20/07/2021 11:27 508 exibições
Oradi Caldato - Presidente do Sindicato Rural de Pato Branco/PR
Produtores temem que novas intempéries climáticas, como vento, por exemplo, derrube o milho que está com as hastes fragilizadas

 

Podcast

Entrevista com Oradi Caldato - Presidente do Sindicato Rural de Pato Branco/PR sobre a Safra de Milho

 

Logotipo Notícias Agrícolas

apesar de poucas áreas colhidas, a estimativa de quebra na produtividade do milho safrinha em Pato Branco, no Paraná, é estimada em 50%, segundo o presidente do Sindicato Rural do Município, Oradi Caldato.

Segundo ele, o produtor "forçou a barra", plantando em atraso, então o cultivo ficou suscetível às geadas que são comuns nesta época do ano. Caldato pontua também que o milho já estava com o desenvolvimento comprometido devido à estiagem. 

Publicidade

"As áreas colhidas por aqui não chegam a 5%, que é o milho que foi plantado primeiro. O que ainda está no campo está com a haste muito fragilizada, e se vier um vento, vai derrubar as plantas e pode piorar ainda mais o quadro", disse. 

As expectativas de produtividade quando o plantio foi realizado já foram mais baixas que o comum devido ao atraso, ficando em torno de 80 sacas por hectare, e após as recentes intempéries, inclusive geadas nesta segunda e terça-feira (19 e 20 de julho), os produtores devem colher, em média, 40 sacas por hectare.

Apesar da aparência seca, o milho que está sendo colhido está com alta umidade, conforme explica Caldato, e isso também deve pesar para o produtor, prejudicando a qualidade do produto. 

O presidente do Sindicato explica que cerca de metade dos produtores da região está bancando a safrinha do próprio bolso, já que estão descobertos de financiamento ou seguro. "Quem não consorciou com braquiária e foi atingido pela geada vai sofrer prejuízo, e a expectativa é o preço do milho subir para que o que for colhido empate com os custos", afirmou. 

 

 

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário