Publicidade

Laranja: Seca severa, pragas e doenças tiram aproximadamente 74 milhões de caixas da safra 2020/21

Publicado em 06/07/2021 15:54 e atualizado em 06/07/2021 16:36 667 exibições
Vinícius Trombin - Coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra do Fundecitrus
Entrevista com Vinícius Trombin - Coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra do Fundecitrus sobre o Recorde da taxa de queda da laranja

Podcast

Entrevista com Vinícius Trombin - Coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra do Fundecitrus sobre o Recorde da taxa de queda

Download

A taxa de queda de 21,60% registrada na safra 2020/21 é a mais alta já medida pelo Fundecitrus desde o início da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES), em 2015. Se os frutos que caíram tivessem chegado à colheita, representariam o equivalente a aproximadamente 74 milhões de caixas.

Até o momento, a taxa de 17,63% aferida na safra 2019/20 era a maior medida pelo Fundecitrus. Nos anos anteriores, os números ficaram em 16,70% (2018/19), 17,30% (2017/18) e 13,73% (2016/17).

A seca severa e a alta incidência de greening, bicho-furão e mosca-das-frutas são as principais causas do recorde de frutos caídos nesta safra. Veja relação completa e número de caixas perdidas:

1º Natural ou mecânica: 6,63% (22,72 milhões de caixas)

2º Bicho-furão e mosca-das-frutas: 4,76% (16,31 milhões de caixas)

3º Greening: 3,71% (12,71 milhões de caixas)

4º Pinta preta: 2,98% (10,21 milhões de caixas)

5º Leprose: 1,70% (5,82 milhões de caixas)

6º Rachadura: 1,45% (4,97 milhões de caixas)

Publicidade

7º Cancro cítrico: 0,37% (1,27 milhão de caixas)

O clima desfavorável começou ainda em setembro e outubro de 2019, com veranico e temperaturas elevadas que prejudicaram a fixação dos frutos recém-formados, resultando em uma menor concentração de laranjas na florada principal. Durante a fase de desenvolvimento dos frutos, a seca e o calor se intensificaram com a chegada de fenômenos climáticos como a La Niña.

De acordo com o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES) do Fundecitrus Vinícius Trombin a forte influência das condições climáticas foi determinante na maior parte do parque citrícola em 2020 – algumas regiões ficaram até 145 dias seguidos sem chuva significativa e uma onda de calor extremo fez de setembro e outubro os meses mais quentes, com temperaturas, respectivamente, 4,4 oC e 3,1 oC acima das médias máximas históricas. 

Neste ano, a rachadura ganhou destaque na lista devido aos índices significativos. Anteriormente, estava inclusa em “natural ou mecânica”. A seca extremamente severa provocou a perda de plasticidade da casca.

Além do forte impacto do clima adverso, as restrições impostas pela pandemia também podem ter afetado o manejo adequado dos pomares. 

Taxa de queda de frutos bate recorde na safra 2020/2021 - Fundecitrus

Doenças e pragas

As doenças e pragas dos citros provocaram a perda de 46,32 milhões de caixas, o que corresponde a 13,5% da taxa de queda. Neste grupo, a mosca-das-frutas e bicho-furão foram o principal motivo em razão do aumento populacional desses insetos, observado desde a safra 2018/19. Para amenizar o problema, é fundamental realizar o controle correto.

O greening aparece em segundo na lista devido ao crescimento contínuo da incidência e severidade da doença, somada a não eliminação de árvores doentes em alguns pomares. “A manutenção de plantas com greening sem um controle frequente do psilídeo, além de intensificar a severidade da doença, favorece também o aparecimento de novas plantas com sintomas. Maior incidência e severidade de HLB levam a maior taxa de queda e prejuízos”, ressalta o pesquisador do Fundecitrus Renato Bassanezi.

Já as múltiplas floradas desta safra tornaram o controle da pinta preta mais difícil, provocando aumento da participação da doença na taxa de queda, após três anos de estabilidade. Para evitar a queda de frutos, é preciso investir no manejo apropriado. 

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário