Abrafrutas: China pede abertura de mercado para importação de uva do Brasil e negociações avançam

Publicado em 29/03/2021 16:59 e atualizado em 30/03/2021 10:41 1214 exibições
Guilherme Coelho - Presidente da Abrafrutas
Além da China, Mapa e Abrafrutas trabalham para amplicar fortemente a exportação de frutas do Brasil

Podcast

Entrevista com Guilherme Coelho - Presidente da Abrafrutas sobre a Abertura de Novos Mercados para Setor de Frutas

Download

LOGO nalogo

Segundo Guilherme Coelho, presidente da Abrafrutas, após conquistar o mercado de melão para a China, o Brasil agora pode dar mais um passo nos acordos comerciais. De acordo com ele, o governo chinês entrou em contato com o Brasil para viabilizar também a exportação de uva para o país. "Foi uma demanda da China, começa com as primeiras informações e eu estive com ministra Tereza Cristina na semana passada porque já é tempo da gente cobrar o que vai acontecer", afirma o presidente. 

Além da China, a Abrafrutas também trabalha para ampliar as exportações para outros países, como Colômbia, Estados Unidos, Africa do Sul e Coreia do Sul. "Nós estamos muito otimistas. Nós aumentamos cerca de 6% no volume de toneladas de frutas exportadas (em 2019). Diante de toda essa pandemia, o setor continua crescendo, continua sendo demandado por fruta, por isso que eu estou muito animado", comenta. 

Guilherme comentou ainda que os efeitos da pandemia nos embarques do Brasil feitos via logística área. Normalmente os embarques são feitos em voos comerciais e com as restrições, grande parte das viagens foi cancelada. Em entrevista ao Notícias Agrícolas, a Abrafrutas já havia divulgado um recuo de 40% nas exportações. Neste momento, as condições continuam mais críticas para Portugal e Inglaterra, que ainda não abriram fronteiras com o Brasil. 

Veja a análise completa no vídeo acima

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Fausto Joaquim Coral Campinas - SP

    A ampliação de novos mercados e a ampliação dos mercados tradicionais deve propiciar ao Brasil dividendos duradouros, consolidando nossa posição como grande nação produtora de alimentos.

    1