Vlamir Brandalizze: Clima favorável e falta da China derrubando Soja em Chicago

Publicado em 12/03/2021 15:34 e atualizado em 12/03/2021 17:50 91 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi
Vlamir Brandalizze: Milho escasso mantendo indicativos no Brasil

Colheita de soja começa no RS e lavouras têm boas condições, diz Emater

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja do Rio Grande do Sul, um dos principais Estados produtores do Brasil, começou em algumas "pequenas áreas" e chega a 1% dos cultivos na temporada 2020/21, apontou a Emater-RS na noite de quinta-feira.

O início dos trabalhos, contudo, teve início com um atraso na comparação como o ano passado, quando 12% da área estava colhida, segundo a Emater, o órgão de assistência técnica do governo gaúcho.

Na média histórica, produtores gaúchos teriam colhido 8% da área nesta época.

Apesar do atraso, após preocupações iniciais com a falta de chuva para o plantio, as chuvas foram adequadas e as condições atuais estão boas para o desenvolvimento das plantações.

"O retorno da umidade adequada no solo beneficiou o desenvolvimento das culturas de verão", disse a Emater.

O Estado tem 19% das lavouras em maturação, versus 33% nesta mesma época na safra passada.

O órgão notou que a regional de Santa Rosa tem 6% das lavouras em fase de maturação. "Iniciou a colheita em alguns municípios, como em Porto Xavier, onde a cultura é plantada precocemente aproveitando condições de microclima às margens do rio Uruguai", disse a Emater em relatório.

Na regional de Porto Alegre, também houve o início da colheita, chegando a 3% das áreas.

Na regional de Bagé, a maior parte das lavouras apresenta potencial produtivo elevado, especialmente onde há boa umidade nos solos. "Na de Caxias do Sul, o cenário segue muito favorável, com plantas bem desenvolvidas e bom número de vagens por planta."

A colheita de soja está mais adiantada em Estados como o Mato Grosso e Paraná, que lideram a produção brasileira juntamente com o Rio Grande do Sul.

Entretanto, pela média histórica, o Brasil tem um atraso significativo em 2020/21, devido à seca no plantio e mais recentemente por chuvas na colheita.

A safra de soja do Rio Grande do Sul está estimada em 20 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), forte recuperação ante a temporada passada, quando a colheita somou somente 11,4 milhões de toneladas, por conta de uma seca severa.

Já o Paraná tem safra estimada em 20,2 milhões de toneladas, e o Mato Grosso, em 35,7 milhões de toneladas, segundo a Conab.

A safra do Brasil, maior produtor e exportador global de soja, está estimada pela Conab em um recorde de 135,1 milhões de toneladas.

Consultoria reduz previsão de 2ª safra de milho do Brasil a 80,13 mi t

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de milho do Brasil na segunda safra de 2020/2021 deve alcançar 80,13 milhões de toneladas, avanço de 6,8% ante a temporada passada, com impulso maior de um crescimento na área plantada do que por produtividades, avaliou nesta sexta-feira a consultoria Pátria AgroNegócios, que reduziu sua estimativa.

A empresa de análises trabalhava anteriormente com uma safra de 80,95 milhões de toneladas para a colheita de inverno.

"Produção arrastada por um crescimento de área agressivo, não por produtividades!", disse a consultoria, citando problemas de um plantio atrasado desde janeiro e chuvas que interrompem os trabalhos, que resultaram na diminuição a projeção.

A Pátria AgroNegócios projeta aumento de 7% no plantio da segunda safra, para um total de 14,71 milhões de hectares (crescimento de 1 milhão de hectares em relação à safra 2019/20).

"A expansão de área continua sendo estimulada por um crescimento expressivo da receita projetada com os valores atuais de milho futuro. Entretanto, apesar da área recorde semeada no país com milho de segunda-safra, a produtividade segue comprometida pela falta de janela de plantio dentro do cronograma adequado", comentou o analista Matheus Pereira.

Quanto mais atrasada a segunda safra de milho, maiores são os riscos climáticos, como seca e geadas com a chegada do inverno.

Com essa estimativa para a segunda safra, a produção total brasileira deve ficar em 105,66 milhões de toneladas em 2021.

Nesta sexta-feira, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, citou preocupações com a segunda safra e custos para a indústria de carnes.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário