Para compensar perdas pela inflação, arroba do boi para outubro deveria ser negociada a R$ 350, aponta levantamento da Agrifatto

Publicado em 23/06/2021 12:37 e atualizado em 24/06/2021 09:19 1934 exibições
Yago Travagini Ferreira - Analista de Mercado da Agrifatto
Apesar de preços nominais acima dos praticados no início do ano poder de compra do pecuarista recuou 3% e pode chegar a 8% se cotação futura na B3 não evoluir

Podcast

Entrevista com Yago Travagini Ferreira - Analista de Mercado da Agrifatto sobre o Mercado do Boi Gordo

Download
 

LOGO nalogo

O levantamento da Agrifatto apontou que o poder de compra do pecuarista atualmente está 3%  menor do que comparado com os valores da arroba praticado no início do ano, apesar dos valores nominais serem maiores nesse momento : em janeiro a arroba estava cotada em R$ 289,00/@, e hoje, está próximo de R$ 316,00/@. E a situação ainda piora com a comparação feita entre a precificação para outurbro/21 na B3 (R$ 322,00/@ X R$ 289,00/@) .  De acordo com o analista de mercado da Agrifatto, Yago Travagini,  para ter um poder de compra justo a arroba deveria ser negociada a R$ 350,00/@ em outubro. 

“Se os preços futuros da arroba não evoluírem, nós podemos ter uma relação de troca desfavorável em até 8% em outubro, frente aos preços praticados em janeiro deste ano”, informou  em entrevista ao Notícias Agrícolas. 

Apesar de um cenário de oferta restrita de animais, a situação deve ser desfavorável ao pecuarista nos próximos meses. “Nessas condições atuais de preços, vamos ter o pior cenário de poder de compra da pecuária. Além disso,  o volume de animais abatidos e a produção de carne estão no menor patamar dos últimos 12 anos”, destacou. 

A demanda interna está dando sinais de recuperação, na qual o varejo está conseguindo repassar preços mais elevados para o consumidor. “A tendência é que com a reabertura econômica vamos ter uma retomada da demanda doméstica por carne bovina, mas não temos uma perspectiva de melhora na oferta de animais nos próximos meses”, ressaltou.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário