Antecipação da engorda no final do ano passado ajudou a reduzir a oferta de boi gordo nesta safra, diz pecuarista

Publicado em 31/03/2021 13:07 e atualizado em 31/03/2021 18:59 752 exibições
Renato Esperidião - Pecuarista
Animais novos não tem o mesmo desempenho de ganho de peso a pasto e isso ajudou a ampliar buraco na oferta

Podcast

Entrevista com Renato Esperidião - Pecuarista sobre o mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o pecuarista da região de Goiânia/GO, Renato Esperidião, informou que os animais que seriam destinados à safra de pasto foram antecipados no ano passado com a alta dos preços. “Nós tivemos uma mudança no rebanho e temos mais animais jovens, já que os bois erados que estariam prontos neste período foram antecipados no final do ano passado devido a explosão de preços”, comentou. 

Em Goiás, as negociações estão ocorrendo ao redor de R$ 292,00/@ a R$ 295,00/@. “Até pouco tempo atrás quem ditava as referências era o frigorífico e de uns tempos para cá os pecuaristas começaram a pedir por preços melhores. Nas demais localidades que tenho propriedade, a precificação apresenta a mesma média diante da falta de animais terminados”, disse o pecuarista. 

O volume de animais que está previsto para entrar no mercado não será suficiente para pressionar os valores da arroba. “Em anos anteriores, este período era marcado por uma  entrada de animais terminados que pressionava as cotações da arroba e essa mentalidade de mercado mudou. Por isso, estamos observando o mercado firme e com viés altista”, destacou. 

Apesar do mercado futuro indicar valores de R$ 325,00/@, muitos pecuaristas ainda não sabem esse patamar de preço vão cobrir os custos do confinamento. “Eu não consigo visualizar o preço do grão daqui dois meses e não sabemos se a exportação e o etanol do milho vão tirar o produto do mercado”, ressaltou.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • francisco elias abrao pres.prudente - SP

    Me desculpe! mas não concordo..., ano passado tivemos uma reducao de quase 20% NO ABATE DE FEMEAS, E 2% NO ABATE DE BOIS. NUNCA ABATEMOS TAO POUCO COMO 2020, MENOR ABATE DOS ULTIMOS 10 ANOS. NAO ACELEROU NO FINALDO ANO, PODE SIM TER ABATIDO ALGO A MAIS, MAS NAO É ISSO QUE ESTA FALTANDO BOI AGORA. E SIM CUSTO DE ENGORDA NO SEMI OU CONFINAMENTO QUE SUBIU MUITO, E SIM CONTINUA POUCO ABATE DE FEMEAS,... PELO PRECO DO BEZERRO, PECUARISTA QUE CRIA ESTÁ SEGURANDO TUDO.

    1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. Francisco, o abate de matrizes reflete 18 a 24 meses pra frente. São 9 meses de gestação e mais 10 para a desmama e, o período de monta de três a quatro meses. No final de 2019, de Outubro a Dezembro a @ do boi teve uma alta repentina, chegando a R$ 230,00/@. Mesmo assim, se tomar os preços de Janeiro e Dezembro de 2019, a alta foi de 32,5%. ... Mas, segundo a Scot consultoria, a média dos aumentos de preço desde o ano 2014 a 2018, foram próximos de 2% ao ano e, no ano de 2017 houve uma queda de preço de (- 1,7%). ... Então o setor de pecuária, poderíamos chama-lo de "sobrevivente". ...

      0
    • francisco elias abrao pres.prudente - SP

      Eu falei redução de abate de femeas

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sim, entendi. Mas, com a alta de 2019, aumentou a abate de matrizes devido ao aumento do preço da @. A falta de bezerros de hoje é o reflexo de 2019.

      0
    • francisco elias abrao pres.prudente - SP

      Concordo com vc.mas nos estamos falando do momento atual que estamos segurando fêmeas para cria.... e quem faz escala escala e metade do movimento no frigorífico são fêmeas.

      0