Bolsonaro fala em tirar PCdoB do Maranhão e lançar Tarcísio em S. Paulo (Poder360)

Publicado em 02/05/2021 14:49 891 exibições
“As imagens de ontem dão forças para nosso PR continuar a incansável luta pelo Brasil e pela LIBERDADE dos brasileiros", escreveu o gen reformado, Luiz Eduardo Ramos, chefe da Casa Civil

O presidente Jair Bolsonaro conversou com apoiadores neste domingo (2.mai.2021) em frente ao Palácio da Alvorada. O chefe do Executivo falou rapidamente sobre planos eleitorais, envolvendo a política local do Maranhão e de São Paulo.

“Vamos arrancar esse PCdoB do Maranhão”, disse depois de um apoiador se apresentar e afirmar que é maranhense. O Estado é governado por Flávio Dino (PCdoB) desde 2015. O comunista é opositor do presidente.

Bolsonaro também falou sobre o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, quando um visitante o citou. “Estou querendo emprestar o Tarcísio para São Paulo. Entendeu o recado aí, né?”, afirmou.

Não é a 1ª vez que o presidente comenta a possibilidade de lançar o chefe do ministério ao governo do Estado. Em 26 de abril, perguntou também a um apoiador em frente ao Palácio da Alvorada: “Quem sabe São Paulo adote o Tarcísio para o ano que vem?“. Na ocasião, o presidente voltou a criticar o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). “É obcecado pelo poder“, opinou.

Bolsonaro saiu do Palácio da Alvorada neste domingo acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e do deputado Hélio Lopes (PSL-RJ). Falou rapidamente com jornalistas para anunciar que a Rússia concedeu indulto ao motorista brasileiro Robson Oliveira, preso no país desde março de 2019.

O chefe do Executivo não quis responder a perguntas sobre outros assuntos e deixou o local onde realizou o pronunciamento sem conceder entrevistas. Alguns apoiadores do presidente aplaudiram a atitude. Um dos visitantes xingou os jornalistas de “bandidos“, “vagabundos” e “filhos da puta“.

O presidente Jair Bolsonaro conversou com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada neste domingo (2.mai.2021)

Manifestações de 1º de maio dão força para Bolsonaro, diz ministro Ramos

Povo continua ao lado dele, afirma; Chefe da Casa Civil defende atos

O presidente Jair Bolsonaro com o general Luiz Ramos, atual ministro da Casa Civil

O ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, publicou em sua página oficial no Twitter que as manifestações favoráveis ao governo ocorridas no último sábado (1º.mai.2021) “dão forças” para o presidente Jair Bolsonaro continuar o seu governo. Ele escreveu a declaração neste domingo (2.mai).

“O povo trabalhador continua ao lado daquele que nunca o abandonou e sempre defendeu o direito ao trabalho. Essa é a mensagem das ruas nesse 1°de maio“, publicou Ramos. E completou: “As imagens de ontem dão forças para nosso PR continuar a incansável luta pelo Brasil e pela LIBERDADE dos brasileiros“.

ATOS DE 1º DE MAIO

Nesse sábado, data em que se comemorou o Dia Internacional do Trabalhador, diversas capitais brasileiras registraram a ocorrência de manifestações pró-governo.

Os militantes vestiam roupas nas cores verde e amarela e empunhavam faixas que pediam o fim da corrupção, a criminalização do comunismo, defendiam o voto impresso e proferiam ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal). O grupo também gritava palavras em apoio a Jair Bolsonaro e dizia que “autorizava o presidente a agir”, em resposta à uma fala de Bolsonaro sobre “esperar uma sinalização da população para tomar certas atitudes”.

Bolsonaro sobrevoou a Esplanada dos Ministérios na manhã desse sábado. O chefe do Executivo saiu às 11h do Palácio da Alvorada e seguiu em direção à região central de Brasília, onde apoiadores se manifestavam a favor do governo. Às 11h40, a aeronave retornou à residência oficial.

À tarde, compartilhou em sua página oficial do Facebook um vídeo de outra manifestação pró-governo, realizada na Avenida Paulista, em São Paulo.

O registro mostra milhares de pessoas aglomeradas, algumas sem máscaras. (A proteção facial é obrigatória em locais públicos. Na 5ª feira (29.abr), o Brasil ultrapassou a marca de 400 mil mortes por covid-19, de acordo com o Ministério da Saúde. Abril é o mês mais letal da pandemia no Brasil. NR do Poder360).

Bolsonaro anuncia libertação de brasileiro preso na Rússia há dois anos

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O brasileiro Robson Oliveira, ex-motorista do jogador de futebol Fernando, recebeu indulto do governo da Rússia e foi libertado neste domingo, depois de dois preso por entrar no país com um medicamento de uso controlado que continha uma substância proibida na Rússia.

O anúncio da libertação de Robson foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro, depois de uma conversa com o embaixador do Brasil em Moscou, Tovar Nunes, e com o próprio Robson, que já está na embaixada brasileira na capital russa.

"Depois de uma longa negociação foi anunciada hoje (domingo) a liberdade do Robson, que trabalhava com o jogador Fernando, do Spartak de Moscou", disse Bolsonaro em um vídeo postado em suas redes sociais. "Foram dois anos que Robson passou detido na Rússia e hoje agradecemos ao presidente (Vladimir) Putin, ao embaixador russo no Brasil e ao embaixador brasileiro na Rússia. É um dia de alegria e, se Deus quiser, na próxima 5ª, feira receberemos o Robson aqui no Brasil."

Robson foi preso em março de 2019, ao entrar na Rússia com um medicamento controlado que continha cloridrato de metadona. A substância, que pode ser usada para tratar o vício em drogas pesadas, é proibido na Rússia, mas tem sua venda permitida no Brasil em determinados medicamentos controlados.

O remédio havia sido encomendado pela família do jogador Fernando, hoje no time chinês Beijing Guoan, mas que na época jogava no Spartak de Moscou, para quem Robson trabalhava como motorista.

Robson foi condenado a três anos de prisão. Em outubro de 2020, o caso foi levado a Bolsonaro pelo jogador do Palmeiras Felipe Melo, e o governo brasileiro começou gestões para tentar libertar o motorista. O presidente chegou a enviar uma carta a Putin pedindo pela libertação.

O brasileiro foi incluído na lista de indultos do governo russo, normalmente feitos nesta semana de Páscoa da igreja ortodoxa.

Já instalado na embaixada brasileira em Moscou, Robson, acompanhado do embaixador brasileiro em Moscou, conversou por telefone com Bolsonaro e com o chanceler Carlos Alberto França, que levou a notícia na manhã deste domingo a Bolsonaro.

"Minha vontade de voltar é muito grande, de ver minha família", disse o motorista.

O brasileiro deve embarcar de volta ao Brasil na próxima quarta-feira.

Fonte:
Poder360/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário