Pandemia e crise econômica cancelam o Dia do Trabalhador em Cuba

Publicado em 02/05/2021 06:46 109 exibições

LOGO REUTERS

HAVANA (Reuters) - Pelo segundo ano consecutivo, Cuba, governada por comunistas, cancelou sua emblemática parada de Primeiro de Maio pela Praça da Revolução de Havana neste sábado, enquanto luta contra casos de Covid-19 e escassez de bens de consumo básicos.

Ao redor da ilha, pequenos grupos se reuniram em praças abandonadas que geralmente são preenchidas por multidões de cidadãos com cartazes para marcar o Dia Internacional do Trabalhador, o feriado mais importante do país, depois de 1º de janeiro.

“Parabéns, trabalhadores! É monumental o que tem sido feito para sobreviver à pandemia, sob um embargo reforçado, e ainda seguir em frente”, disse o presidente Miguel Díaz-Canel, que também é o primeiro secretário do Partido Comunista, pelo Twitter.

A economia de Cuba recuou 11% ano passado, sob o peso da pandemia de coronavírus, rígidas sanções dos EUA e seu sistema ao estilo soviético.

O país registrou mais casos e mortes por Covid-19 este ano do que em todo 2020, embora a taxa de mortalidade continue entre as melhores do mundo, e duas vacinas locais estejam em fases finais de testes.

Ulises Guilarte de Nascimiento, chefe da única e oficial federação de sindicatos, afirmou na televisão estatal na sexta-feira que os trabalhadores enfrentam demissões e inflação e alguns sofrem para “atender necessidades básicas”. Ele culpou as sanções norte-americanas e disse que trabalho duro e uma eficiência maior levariam a dias melhores.

A imprensa estatal pediu que cidadãos transformassem suas casas em praças e compartilhassem comemorações nas redes sociais.

Pequenos grupos de trabalhadores se reuniram em alguns locais de trabalho. Pessoas penduraram bandeiras em varandas e tocaram o hino nacional.

“É um dia especial, um dia triste, porque perdemos trabalhadores valiosos durante a pandemia”, disse Enrique Tondique Domínguez, morador de Havana, neste sábado, em uma pequena reunião diante do ministério de Minas e Energia. “É um dia feliz porque é o Primeiro de Maio, mas também um dia triste porque muitos trabalhadores não estão mais conosco."

Empresa de energia argentinas aumentam preços pela 1a vez desde 2019

LOGO REUTERS

BUENOS AIRES (Reuters) - As principais empresas de distribuição de energia da Argentina, Edenor e Edesur, vão aumentar os preços da eletricidade em 9% na cidade de Buenos Aires e seus arredores, informou neste sábado regulador nacional, no primeiro aumento desde o congelamento de tarifas em 2019 ajudar a conter a inflação.

A Entidade Nacional de Regulação da Eletricidade (ENRE) afirmou em comunicado que o aumento de preços, a vigorar a partir de sábado, é necessário para "garantir a continuidade, acessibilidade e normalidade da prestação deste serviço público essencial".

O governo argentino tem mantido os preços de energia congelados desde que assumiu em meio a alta inflação, que ainda está em uma taxa anual acima de 40%, o que pesa no crescimento do país e no poder de compra do consumidor.

"Desde dezembro de 2019, o governo da Frente de Todos tem priorizado a necessidade de reduzir o impacto das taxas sobre o poder de compra das famílias, empresas e indústrias, no contexto de uma emergência econômica, sanitária e energética", disse o ENRE.

A questão dos preços da eletricidade causou tensões entre as empresas de serviços públicos e partes da coalizão governante, que queriam evitar um aumento nos preços em meio ao aumento dos níveis de pobreza no país.

França registra 195 novas mortes por Covid-19 em hospitais nas últimas 24 horas

LOGO REUTERS

PARIS (Reuters) - A França registrou 195 novas mortes por coronavírus em hospitais neste sábado, de 270 na sexta-feira, e a quantidade de pessoas em unidades de tratamento intensivo com a doença caiu pelo quinto dia seguido.

Essas tendências aparentemente endossam a decisão do presidente Emmanuel Macron de começar a aliviar o terceiro lockdown do país a partir de segunda-feira.

O número de pessoas em unidades de tratamento intensivo caiu em 94 nas últimas 24 horas, para 5.581, afirmou o ministério da Saúde. Também houve 25.670 novos casos de infecções do vírus, levando o total a 5,6 milhões, o quarto maior do mundo.

A França começou seu terceiro lockdown nacional no fim de março, após passar por um aumento de mortes por Covid-19 e novos casos. Macron espera que os efeitos desse lockdown, junto com uma acelerada campanha de vacinações, melhore os números da Covid-19 da França.

Sob pressão de empresas e de um povo cansado, Macron anunciou na sexta-feira um plano de quatro fases para encerrar o atual lockdown.

Polícia detém 34 pessoas em Paris, enquanto milhares participam de protestos do Dia do Trabalho na França

PARIS (Reuters) - Manifestantes com capuzes e vestidos de preto entraram em conflito com a polícia em Paris neste sábado, enquanto milhares de pessoas se juntaram aos tradicionais protestos de Primeiro de Maio ao redor da França para exigir justiça econômica e social e expressar oposição aos planos do governo para alterar benefícios do seguro-desemprego.

A polícia deteve 34 pessoas na capital, onde latas de lixo foram incendiadas e janelas de bancos foram quebradas, o que momentaneamente atrasou a marcha.

Os sindicalistas receberam a companhia de membros do movimento “Colete Amarelo”, que desencadeou uma onda de protestos três anos atrás, e por trabalhadores de setores duramente atingidos pelas restrições da pandemia, como a Cultura. Os manifestantes, a maioria usando máscaras, dentro das regras contra o coronavírus, carregaram cartazes nos quais se lia “Os dividendos, e não os benefícios de desemprego, são a renda dos preguiçosos” e “Queremos viver, não sobreviver”.

“Muito dinheiro está indo para aqueles que já têm muito e menos para quem não tem nada, como está refletido nos planos de reforma do seguro-desemprego que queremos que seja abandonado”, disse Philippe Martínez, chefe do sindicato CGT.

Cerca de 300 protestos foram organizados em cidades como Lyon, Nantes, Lille e Toulouse.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário