Publicidade

Governo prepara programa de expansão da bacia leiteira em Mato Grosso

Publicado em 29/07/2021 12:24 143 exibições

Laticínios, cooperativas e associações de produtores de leite de Mato Grosso, com intermediação do Governo do Estado, têm um prazo de 15 dias para desenhar um programa de expansão do setor. A medida foi definida na manhã desta terça-feira (28.07), no Palácio Paiaguás, em que o governador Mauro Mendes, se reuniu com os representantes da bacia leiteira de Mato Grosso.

Na reunião, que contou com a participação do secretário de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral, e do presidente da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Renaldo Loffi, órgãos que atuam diretamente na atividade desenvolvida majoritariamente por agricultores familiares, foi levantada a necessidade de se reduzir a ociosidade dos laticínios do Estado, que hoje chega a 50% da capacidade, segundo dados do Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado de Mato Grosso (Sindilat).

“Nossa produção diária é de 4,02 litros de leite por vaca ordenhada. Queremos, enquanto Governo do Estado, saber lá da ponta, consultando os envolvidos nesse processo produtivo, como podemos dobrar essa produtividade”, destacou o governador.

Identificando quais os desafios que a bacia leiteira enfrenta para poder expandir, o Governo do Estado irá elaborar as ações que cada segmento deverá adotar para colocar o programa em ação. Uma das possibilidades levantadas durante a reunião foi a do Estado oferecer subsídios para que o produtor de leite possa ter acesso a linhas de crédito facilitadas que os ajudem a investir na atividade leiteira, como compra de animais, expansão da propriedade ou aquisição de tecnologias que o ajudem no trabalho diário.

“O fundo garantidor que pode dar esse suporte a bacia leiteira está pronto, estamos regulamentando ele na Sefaz e queremos o quanto antes deixá-lo pronto”, disse o governador.

Mato Grosso ocupa atualmente o 11ª no ranking nacional da produção de leite, e, segundo o presidente da Sindilat, Leonir Chaves, o Estado pode melhorar essa posição. “Mato Grosso hoje já é autossuficiente na produção do leite, e chega a exportar produtos derivados como mozarela, soro e leite em pó. Mas isso pode melhorar. Temos indústrias ociosas precisando de matéria-prima, que com uma ação enérgica de todos os lados, podem expandir mais sua produção, gerar mais empregos e, consequentemente, maior retorno financeiro ao Estado”, pontuou o representante da Sindilat.

Publicidade

Para o presidente da Cooperativa Mista Ouro Verde (Comov) de Alta Floresta, Antônio Favarin, uma das ações que podem permear o programa em desenvolvimento é encontrar formas de reduzir os custos de produção de leite. “Hoje pagamos caro para alimentar a vaca. O preço da ração ano passado custava R$ 0,80 centavos o quilo. Hoje essa mesma quantidade está custando R$ 2. Mais que dobrou em menos de um ano”, explicou o presidente da cooperativa que reúne 80 produtores de leite.

Favarin frisou ainda, que essa alta no preço da ração bovina é reflexo da alta do dólar nos últimos meses. “A base da matéria-prima da ração é o milho e a soja. O dólar disparou e puxou o preço da ração junto. O que nós temos de fazer é criar formas de reduzir essa dependência, como por exemplo, estimulando o pequeno produtor a reservar uma área para plantar capineira ou milho em grão, que possam ser usados na alimentação do gado”.

MT Produtivo Leite

Além do programa de expansão do setor que está em elaboração, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), promove outras ações de fortalecimento da bacia leiteira, através da ação ‘MT Produtivo Leite’. Entre elas está o de melhoramento genético do rebanho leiteiro, como distribuição de doses de sêmen bovino sexado (fêmea) e doses de sêmen convencional. Até o momento já foram repassadas 15 mil doses de sêmen bovino em 33 cidades, e a realização de 650 prenhezes (ertilização in vitro e a transferência de embrião para a vaca) em cinco cidades. As doses de sêmen são de cinco raças com forte potencial para produção leiteira: Holandesa, Jersey, Girolando ¾, Girolando 5/8 e Gir leiteiro.

Além disso, o Governo do Estado promove ainda a doação de resfriadores de leite, instalação de Unidades de Referência Técnológica (URTs) e a distribuição de calcário para correção do solo. Em janeiro passado foram entregues 200 resfriadores de leite com capacidade de até mil litros para 67 cidades. Outros 175 estão em processo de aquisição para serem distribuídos ainda neste ano. Por meio do ‘MT Produtivo Leite’ está previsto a implantação de 11 URTs, que terão o papel de vitrine para o aprimoramento das práticas de manejo e incentivo aos produtores, e a doação de calcário, com foco na melhoria das pastagens.

Fonte:
Seaf/MT

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário