Algodão: Tecnologia para uma cultura de ponta

Publicado em 29/03/2021 11:04 e atualizado em 31/03/2021 10:19 1602 exibições

A agricultura é, de maneira geral, uma atividade econômica bastante desafiadora, por todos os fatores que fogem ao controle do homem do campo. Mas quando se diz que um bom produtor de algodão teria êxito trabalhando com qualquer outra cultura, é porque o nível de exigência da cotonicultura é extremamente elevado, sobretudo em relação ao alto nível tecnológico de toda a cadeia. Tome-se como exemplo os desafios sanitários das lavouras e a dificuldade de combate e prevenção de doenças fúngicas.

Nesse campo, os produtores de algodão dependem – e muito – do incessante trabalho de pesquisa e desenvolvimentocientífico da indústria de defensivos agrícolas para apresentar soluções cada vez mais eficientes. O controle químico é fundamental para conter o avanço dos patógenos de problemas como a mancha-da-ramulária, um dos mais importantes atualmente; a ramulose; e a mancha alvo, pois a maioria das cultivares utilizadas no Brasil, ainda que apresentem algum nível de resistência, fruto do melhoramento genético, não é suficiente para manter a lavora isenta da doença. Ou seja, a planta por si só não tem condições de evitar todos os efeitos danosos dessas doenças.

Publieditorial Basf Algodão

Publieditorial Basf Algodão

Além da agressividade no ataque às plantas, tais complicações se espalham com facilidade pelas lavouras, conduzidas pelo vento. Sem contar que permanecem alojadas na palhada, de uma safra para outra, nas sobras de tiguera e soqueira. É aí que entra o importante papel de empresas como a BASF, comprometida com o desenvolvimento de inovações tecnológicas, soluções efetivas e eficazes, e cuja meta principal é ser a melhor parceira dos agricultores.

Foi a partir desse posicionamento que surgiu, por exemplo, o Orkestra® SC, um fungicida com duplo mecanismo de ação – engloba os grupos químicos estrobilurina (piraclostrobina) e carboxamida(fluxapiroxade) – que não provoca injúrias às plantas de algodão. A eficiência do fungicida na proteção das plantas é bastante alta porque inibe a germinação dos esporos e o desenvolvimento e a penetração dos tubos germinativos Dependendo do patógeno, inclusive, pode apresentar ação curativa, exatamente por causa do ingrediente ativo fluxapiroxade, no entanto, a recomendação de uso na forma preventiva tem apresentado os melhores resultados.

Publieditorial Basf Algodão

Publieditorial Basf Algodão

Orkestra® SC tem apresentado resultados muito positivos em diversas regiões produtoras de algodão do Brasil, e sua eficácia vai além da sua própria formulação. O fungicida integra um amplo portifólio de soluções que a BASF desenvolveu, e vem aprimorando, para as lavouras de algodão. Além disso, a empresa conta com um time de especialistas em proteção de cultivo que podem auxiliar o cotonicultor a planejar e implementar a melhor estratégia para as condições e características de suas lavouras. E está sempre preparada para auxiliá-lo a conhecer e aproveitar as novidades.

No entanto, para que tudo isso funcione da melhor maneira possível, com a máxima performance, é necessário que cada produtor siga rigorosamente todas as recomendações do fabricante. Esse respeito ao número máximo de aplicações,à quantidade de defensivo por aplicação, ao volume de calda e à tecnologia de aplicaçãoé importante para garantir não só a produtividade, mas também as boas práticas agrícolas no campo, permitindo maior longevidade para o sistema produtivo. A rotação de culturas, evitando a repetição de algodão sobre algodão, também contribui de forma significativa para o manejo sanitário. A assessoria de um engenheiro agrônomo é primordial para alinhar todas essas medidas corretamente e no momento certo.

Selo de Atenção - Orkestra BASF

REGISTRO MAPA: ORKESTRA® SC Nº 08813.

Fonte:
Basf

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário