Importações de carne da China em março ultrapassam 1 milhão de toneladas

Publicado em 13/04/2021 07:43 147 exibições

LOGO REUTERS

A China importou 1,02 milhão de toneladas de carne em março, dados alfandegários mostraram na terça-feira, o maior volume mensal desde pelo menos janeiro de 2020, já que o maior comprador mundial de carne continuou a estocar para preencher a escassez doméstica.

As importações aumentaram 11,4%, ante 919 mil toneladas em março de 2020, mostraram os dados, mesmo depois que os preços locais da carne suína caíram acentuadamente desde o início do ano. A Administração Geral das Alfândegas da China começou a publicar dados para as importações combinadas de carne no ano passado.

Isso ocorre no momento em que a produção chinesa de carne suína, sua carne básica, continua a ser afetada pela doença mortal do porco, a peste suína africana, que atingiu o país em 2018.

O grande volume é provavelmente um recorde, de acordo com Pan Chenjun, analista sênior do Rabobank, e reflete a expectativa do mercado de uma escassez substancial de carne após novos surtos de peste suína durante o inverno.

“As pessoas também pensaram que a pandemia havia acabado, mas não foi”, disse ela, observando que a demanda não foi tão forte quanto o esperado.

O sentimento do mercado mudou desde o final de março, disse Pan.

Uma onda severa de infecções no primeiro trimestre eliminou pelo menos 20% do rebanho reprodutor no norte da China, disseram fontes da indústria e analistas à Reuters, fazendo com que alguns produtores entrassem em pânico e matassem porcos menores.

Os preços domésticos da carne suína PORK-CN-TOT-D despencaram mais de 40% desde o início do ano em meio à liquidação de estoques e fraca demanda.

As importações devem permanecer altas, no entanto, com a maioria das pessoas prevendo uma contínua escassez de oferta, acrescentou Pan.

As importações nos primeiros três meses de 2021 chegaram a 2,63 milhões de toneladas, um aumento de 20,8% em relação ao mesmo período do ano passado, mostram também os dados.

 

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário