Agricultores indianos protestam por meses, apesar das preocupações com o coronavírus

Publicado em 15/04/2021 14:41 41 exibições

LOGO REUTERS

​Por Mayank Bhardwaj

NOVA DELHI, 14 de abril (Reuters) - Milhares de fazendeiros indianos, protestando contra três novas leis agrícolas que dizem ameaçar seus meios de subsistência, prometeram continuar com suas manifestações 24 horas por dia, apesar do forte aumento nos casos de coronavírus no país.

Agricultores dos estados de Punjab, Haryana e Uttar Pradesh, no Norte, e do estado deserto de Rajasthan, acampam nas principais rodovias nacionais por mais de quatro meses, exigindo a revogação das leis, mesmo quando as infecções por coronavírus atingiram níveis recordes.

A Índia emergiu como o país mais atingido do mundo desde o início de abril, sobrecarregando suas extensas instalações de saúde. Os especialistas culparam as medidas relaxadas para impor restrições ao movimento e grandes aglomerações no país de 1,39 bilhão de pessoas.

O governo tentaria cada vez mais usar a pandemia como um estratagema para interromper o protesto, mas os agricultores não quiseram deixar seus locais de protesto, disse Rakesh Tikait, proeminente líder de um dos maiores sindicatos de agricultores, à Reuters.

"Seguimos religiosamente as diretrizes do coronavírus e traçamos planos para ficarmos parados até pelo menos novembro e dezembro, ou até mais se o governo não nos ouvir até lá", disse ele.

O Ministro da Agricultura e Bem-Estar dos Agricultores, Narendra Singh Tomar, solicitou que os líderes sindicais dos agricultores em protesto cancelassem sua agitação para evitar qualquer grande surto de casos de coronavírus em três dos principais locais de protesto perto de Delhi.

"Se o governo deseja garantir que a agitação termine, ele deve conceder nossas demandas. Essa será uma maneira segura de encerrar o protesto", disse Dharmendra Malik, um líder agrícola de Uttar Pradesh.

Ramandeep Singh Mann, outro líder proeminente dos agricultores de Punjab, disse: "O partido no poder reuniu grandes multidões em seus comícios políticos durante as recentes eleições para a assembléia estadual e deve praticar o que prega."

Líderes sindicais de agricultores, incluindo Tikait, Malik e Mann, disseram que não houve relatos de infecções por coronavírus nos locais de protesto.

(Reportagem de Mayank Bhardwaj Edição de Bernadette Baum)

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário